A PitchCom faz 5 anos e queremos celebrar com você

dez 09, 2016 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: Time PitchCom

pitchcom5anosNa numerologia, o 5 representa os sentidos, a transformação, o movimento da vida. A nossa empresa nasceu em 2011 com o impulso de transformar a forma de comunicar, baseando-se em valores como ética, transparência, compromisso e qualidade no atendimento, tudo isso de forma personalizada.

O atendimento que está sempre perto e junto do cliente. O atendimento que inter-relaciona as diversas partes da empresa, que entende seu dia-a-dia, que conhece detalhes, sofre e comemora junto.

Temos o orgulho de buscar todos os dias a proximidade, e entender o que se deseja para superar as expectativas.

Mas nenhum dos nossos valores apareceriam e nos dariam tanto orgulho se não fossem nossos clientes e parceiros que conquistamos ao longo desses 5 anos.

Todos, sem exceção, merecem nosso eterno agradecimento por participarem de uma história, ainda curta, mas cheia de realizações, conquistas e de relacionamentos bem construídos.

Queremos demonstrar neste momento toda a nossa gratidão pela confiança que você teve e tem em nosso trabalho.

Outros anos virão, e que neles você continue caminhando ao nosso lado!

Feliz Novo Ciclo para todos nós! E que o novo ano que se aproxima seja cheio de prosperidade e bons ventos!

Um abraço,

Daniela e Isadora

Em tempos de PR 2.0, o básico fica para trás

set 19, 2016 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: daniela.penna

leonardoRecentemente tivemos uma experiência, no mínimo, inusitada. Dois clientes estavam participando de um grande trade show em SP. Obviamente, fizemos nossa lição de casa para ambos: desenvolvemos o material para o evento, divulgamos, sugerimos pautas exclusivas e entramos em contato com a assessoria de imprensa do evento para somarmos esforços, termos acesso à lista de imprensa confirmada, etc. Ou seja: O BÁSICO, DO BÁSICO, DO BÁSICO! Pois bem: a assessoria do evento era do RJ (até aí, tudo bem, afinal em tempos de tecnologia avançada, fica fácil gerenciar grande parte das atividades à distância). Um dia antes do evento começar, recebemos um e-mail oficial da assessoria dizendo que estariam à nossa disposição para qualquer coisa, mas que eles não estariam presentes no evento! Como? Ninguém? Sério?

Fiquei me perguntando: hipoteticamente deve correr tudo bem, mas, e se cai uma estrutura? E se acontece algum acidente? E se os jornalistas precisam de apoio no evento? Cabe a quem ajudá-los? Cabe a quem cuidar da imagem do evento e dar o suporte necessário? Em tempos de redes sociais, câmeras, fotos, Snapchat e que, tanto o bom e especialmente o ruim correm rápido, como assim ninguém estará lá? A assessoria de imprensa do evento não deveria estar…no evento?

Tenho percebido que as agencias vendem-se como fazedoras de tudo: storytelling, assessoria de imprensa, redes sociais, conteúdo digital, PR 2.0, marketing de conteúdo e todas as outras vertentes que aqui quiser colocar, mas pecam no básico: somem por semanas a fio, sem dar qualquer sinal de vida ao cliente, não cumprem prazos, não estão presentes nos eventos, não entregam o que prometem – sendo que no processo de prospecção garantem atendimento com equipe sênior e envolvimento dos sócios. Em poucos meses de casa e com a conta já rodando, o atendimento é substituído por uma pessoa júnior ou mesmo estagiário, o sócio não aparece sequer nos eventos importantes ou mesmo faz uma ligação de relacionamento a cada dois meses. Pode? Não, não pode!

Sabe-se que cada cliente tem uma necessidade e um perfil: alguns são mais carentes, outros mais proativos, outros menos, mas, sejamos honestos. As coisinhas do dia-a-dia, aquela “mão na roda” que a assessoria pode (e deve) ser, aquele olhar estratégico para o negócio, onde foi parar? E pobre do cliente – especialmente aquele que não tem experiência com agências anteriores – deixa-se levar por uma promessa e consequentemente tem uma experiência oposta e frustrante. Tem ainda aquelas que garantem resultado “você vai sair na capa da Exame”! Não, gente. Sejamos sérios, honestos e éticos com os clientes. Afinal, onde fica a reputação da agência se ela não cumpre o que promete? Se parte do nosso trabalho é ajudar a construir a reputação de seus clientes estruturando o discurso e avaliando as oportunidades, que tal começar dentro de casa?

Não vale mentir para o cliente, nunca. Não subestimem a inteligência e muito menos desvalorizem a aposta dele em seus serviços. Afinal, é nossa responsabilidade manter o mercado valorizado, portanto atitudes desconexas acabam sendo um tiro no próprio pé. Quer fazer PR 2.0? Comece sendo honesto e ético.

Vale hibernar na crise?

fev 16, 2016 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: Isadora Leone

Quem já viu mais de 30 primaveras, certamente já passou por alguns invernos rigorosos de crises como esse que vivemos agora. De algum modo todos sobreviveram, e a menos que as teorias apocalípticas se confirmem, sempre sobreviverão, com algumas marcas e aprendizados, mas continuarão. O importante é saber como passar pelas fases críticas, protegendo-se do frio, seguindo em frente ou hibernando.

Por razões óbvias, comportamentos mais corajosos e arrojados surgem no meio dos pequenos empreendedores. Nesse meio, não há tempo para guardar-se, é preciso encarar a friaca e seguir em frente. Uma das grandes provas são os índices apontados pela Fecomércio SP em julho do ano passado. O cenário medonho já se mostrava desde 2014 e, ainda assim, foi constatado pela pesquisa que as empresas com até 50 empregados (pequenas) aumentaram seus investimentos em até 40% no mês do estudo, enquanto as maiores caminhavam na retração.

A dica vem do pequeno empreendedor, mas serve para os médios e grandes (guardadas as devidas diferenças de cenário, claro). Um do grandes erros é hibernar. Em um momento de crise, é claro que ajustes precisam ser feitos. Repensar custos não significa cortes necessariamente, significa observar o mercado, o hábito do seu cliente – que irá mudar com certeza – e alinhar seus objetivos para continuar a atendê-lo dentro dos seus novos modelos para sobreviver. Em um estudo publicado no site da Harvard Business Review (vale ler inteiro) sobre o Marketing na crise, fala exatamente sobre isso. É preciso reconhecer os seus clientes, os diferentes tipos de clientes que você tem e estar pronto para investir para atendê-lo de modo eficaz.

Cortes de investimento em marketing, comunicação e posicionamento podem fazer com que a marca não esteja a postos quando o cliente mais precisar. Nesse momento o concorrente vai aparecer como um cão São Bernardo e, com uma bebida quentinha, irá ajudá-lo a passar pelo frio. O cliente precisa continuar a ser atendido e se não for você a primeira escolha, será outro.

Por isso, a melhor situação é estudar os clientes. Reajustar – claro – todos os seus custos e tornar seus investimentos mais eficazes, mas sumir nunca.

Originalmente postado no portal Startupi:
See more at: http://startupi.com.br/2016/01/vale-hibernar-na-crise/#sthash.4ryTMoyg.dpuf

artigo-crise-rme-neve-870x250

Atendimento e PR: sempre de mãos dadas

ago 21, 2015 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: daniela.penna

 

imagem_post_daniela_210715É um erro comum achar que um “good PR” é somente aquilo que você paga para sua agência ou para aquele funcionário interno, responsável por coordenar as atividades de Relações Públicas. Embora, em partes, seja verdade, as empresas precisam estar cientes de que um bom atendimento a clientes e “good PR”caminham de mãos dadas. Quer exemplos?

Imagine que você está em um restaurante: seu prato chega com um fio de cabelo e educadamente, você chama o gerente e pede para trocar. Alguns restaurantes levariam o prato, trariam um outro (normalmente igual ao anterior) e, supostamente, tudo resolvido. NÃAAAOOOO! O “good PR”, aqui atrelado ao bom atendimento a clientes faria diferente: se desculparia pelo ocorrido, deixaria que o cliente escolhesse um novo prato (ou o mesmo, tanto faz) e ao final da conta, não cobraria aquela iguaria. Bobagem? Claro que não! O objetivo do serviço ao cliente é manter seus clientes satisfeitos, sempre!

Levando para o mundo coorporativo e considerando que a meta de PR é estabelecer e manter a boa imagem da empresa,  PR e serviço ao cliente se cruzam. Clientes insatisfeitos podem manchar a reputação de qualquer corporação.

Um anúncio em um jornal ou uma boa matéria publicada em uma revista local possivelmente atrairá novos clientes, mas como eles vão realmente ser tratados no dia a dia? Se há uma desconexão com aquilo que você vende e o que está entregando, precisamos conversar.

Não há nada pior do que criar buzz em torno de uma marca e deixar o cliente ao Deus dará com um serviço de má qualidade. Em tempos que agências vendem conteúdo, storytelling, social media, digital PR, e até “a mãe” se deixar, o básico ficou de lado. A maneira como tratamos os clientes passou a ser secundária. Na prospecção e negociações, o dono da agência está lá. No dia a dia, o assessor júnior ou até o pobre estagiário, dando seu sangue e, ainda sem respaldo profissional, assume as buchas. Ok, sabemos que faz parte do aprendizado, mas o que é combinado, não sai caro. Será que foi vendido ao cliente que ele seria atendido por um profissional júnior? Óbvio que não! Se seu cliente comprou um serviço e espera uma entrega X, que tal nos esforçarmos pra entregar X+1? Atenção: resultados, comprometimento, competência, tudo isso irá encantá-lo e traçará os caminhos de como sua marca é percebida, além de fidelizar o cliente. Não dá pra vender “good PR”, se você, profissional ou agência de comunicação, não o faz. Pense nisso!

 

Case da Virada: na turma do “Oba!” e não do “Ufa!”

abr 28, 2015 | Cases | 0 comentários | Por: Claudia Mamede

oba

Nada melhor para descrever a participação da PitchCom na Virada Empreendedora do que a explicação do escritor  Roberto Tranjan durante a palestra de fechamento da quinta edição, quando ele diz que quando trabalhamos com amor e alegria, chegamos no dia da entrega e dizemos OBA! quando o contrário é o UFA!. Aqui na PitchCom nosso time sempre trabalha com o OBA! Sempre entregamos nossos resultados com muita satisfação e alegria, porque temos um time engajado e muito comprometido com o que faz!

Estamos participando como apoiadores da Virada Empreendedora desde a sua primeira edição, em 2010, ainda quando era um pequeno evento e que levou quase 400 pessoas para 24 horas de jornada empreendedora. A cada edição acompanhamos o crescimento e o entusiasmo de pessoas, que como nós, trabalham para buscar o OBA! no final do dia! Nosso maior exemplo disso, é a idealizadora do evento Ana Fontes,  que sempre termina suas obrigações com um sorriso no rosto!

Cases como da Virada Empreendedora são a prova de que tudo que se faz com propósito e muita boa vontade, dá certo! Foram mais de 100 palestras, 2 mil pessoas, mais de 30 voluntários na organização e muita gente para ajudar em 24 horas de pura busca e transmissão de conhecimento simultâneos.

Este ano, a PitchCom foi responsável por levar o nome da Virada Empreendedora por todos os cantos do Brasil. Vários jornais, blogs, TVs e portais de vários estados falaram sobre a Virada Empreendedora 2015.  A entrega foi comparável ao esforço pelo sucesso!

Além de fazermos a Assessoria de Imprensa para Virada, ainda duas das sócias da PitchCom, foram curadoras de arenas durante o evento: da Sua Empresa Vai Virar e Inspiração. Ambas com convidados ilustres e que encheram os auditórios e levaram aplausos e muita experiência para os empreendedores.

Acreditamos no trabalho colaborativo, em causas e em propósitos. E aqui, o cliente também entra na turma do Oba! porque somos mais que fornecedores, somos entregadores de sonhos realizados!

veja nosso trabalho com a imprensa nesse link

E os melhores resultados neste: clipping

O Fracasso e o Sucesso

abr 27, 2015 | Sem categoria | 0 comentários | Por: daniela.penna

No mundo empreendedor, é muito difícil mensurar e chancelar o que é o sucesso e fracasso, já que qualquer fracasso vira aprendizado e oportunidades pra mudar e vencer e, pequenos sucessos são comemorados avidamente, afinal empreender no Brasil é o mesmo que escalar o Everest de regatas.

O mesmo acontece com a maternidade. Explico: estou com uma recém nascida em casa – 40 dias – e tenho um filho mais velho, de 4 anos. 1+1 não são 2 no mundo da maternidade. 1+1=11!!! Deus! Entre mamadas na madrugada, dar atenção ao mais velho, lembrar de comer e escovar os dentes não sobra mais tempo pra nada não é? Ledo engano! Arrumamos tempo ainda pra trabalhar, pra empreender, pra prospectar, pra fazer calls com cliente em Miami, pra reuniões pelo Skype com sua equipe e sócias. Sucesso? Acho que sim, afinal temos uma empresa pequena mas 100% sadia, não devemos nada a ninguém, entregamos bons resultados aos clientes e eles estão felizes. E nós, consequentemente, também. Fracasso? Às vezes, quando não conseguimos provar por A + B que nosso preço está na média do mercado e, que sim, PR bem feito deve ser encarado como investimento e não custo! Mas, com a crise instalada no País, onde investimentos estão sendo interrompidos e as empresas estão com o pé atrás em liberar verba, muitas vezes nosso escopo cai pela metade pra poder chegar na verba que o cliente tem disponível! Pronto: fracasso

Na maternidade, se seu filho cresce e engorda, é inteligente, aprendeu a ler na fase correta, é obediente, SUCESSO! Se vai mal na escola, senta a mão nos amigos no jogo de futebol, é birrento, não come direito, FRACASSO! Ou seja, empreender e maternidade tem mais correlações do que imagina nossa vã filosofia. Ou seja, parafraseando Antonio Abujamra, dramaturgo, ator e diretor, que faleceu essa semana, “… o fracasso e o sucesso são iguais. Os dois são impostores”.

Os links mágicos para o empreendedor

mar 12, 2015 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: Claudia Mamede

Por Cláudia Mamede

O evento aconteceu dia 11 de março no prédio da Microsoft em São Paulo, e deu continuidade as homenagens do mês da mulher, e trouxe “a luz” muitas novidades interessantes que ajudaram as empreendedoras presentes, e agora todas as leitoras. A ideia aqui não é falar do evento em si – que não é difícil imaginar que foi DEMAIS só por ter sido na Microsoft e reunir pessoas do gabarito de Silvia Valadares, Ana Fontes, Camila Acchutti e Rande Rodrigues – mas separar o que pode realmente ajudar vocês e que aprendemos por lá.

Segundo Silvia Valadares, idealizadora do evento pela Microsoft, três coisas são essenciais para que as empreendedoras tenham sucesso hoje em dia: “O networking e a Tecnologia são fundamentais mas a determinação – que é ainda mais fundamental – vocês têm de sobra” conclui Silvia. E foi nesse clima de muita boa vontade que Ana Lucia Fontes, fundadora da RME falou sobre Networking e deu dicas muito importantes para as mulheres, como sempre participar, no mínimo, de um evento por mês onde possa conhecer pessoas novas. Ter sempre um cartão de visitas em mãos “Hoje não há mais desculpas para não ter cartão de visita, vocês encontram cartão por 50 reais o milheiro” afirma Ana, e por último, organize os cartões e faça contatos posteriores ao encontro, isso faz o networking valer sua saída, para sempre!

O representante da Microsoft Rande Rodrigues, mostrou algumas funcionalidades que o seu outlook, Excell, ou o ONENOTE têm que a maioria desconhece, segundo ele “90% dos usuários  utilizam apenas 10% das funcionalidades do pacote”, e aproveitou pra falar da importância de ter os aparelhos conectados e salvos na NUVEM, que pela MICROSOFT é o ONEDRIVE, e Gratuito.  Ele passou várias dicas, mas vale a pena vê-las pelo link: https://www.youtube.com/user/MicrosoftBrasil  e lá ver qual das dicas é mais importante para você!

A Camila Archutti, jovem empreendedora formada em Ciências da Computação pela USP, criadora do Blog mulheres na computação falou da importância de organizar o tempo, usando-o com produtividade e prioridades, que são duas palavras-chaves na vida de toda mulher. Afinal, como defini-los?

Como sugestão, ela mostrou dois sites que ajudam na produção de listas e organizador de tarefas: o ANY.DO e o ONENOTE.

Ela sugeriu também dois livros ou métodos: “Get Things Done” de David Allen e o POMODORO de Francesco Cirillo. Segundo ela, ambos são muito importantes e ajudam nas definições com dicas práticas e métodos que vão ajudar no dia a dia.

Outra dica que considero importante, talvez porque precise disso, foi uma indicação de BLOQUEADOR TEMPORARIO DE SITES, o COLD Turkey (Windows), que você pode usar para te “proibir” por um período de acessar “sites” ou Redes sociais que te distraiam.  Há outros bloqueadores disponíveis na Rede, é só consultar com esse nome.

Para gerenciar seus projetos e ajudar na priorização das tarefas, ela indica duas ferramentas gratuitas e eficientes: O TRELLO, que segundo ela é mais intuitivo e o ASANA, que é mais robusto.

Outra dica bacanérrima da Camila, para ajudar na organização do seu TEMPO, foi o BASECAMP e o ONEDRIVE, ambos otimizam as atividades e arquivos e auxiliam não só você, mas todo o seu time a se organizar. Segundo ela, o Basecamp é excelente para quem tem time remoto.

Para finalizar a manhã com chave de ouro, Camila apresentou várias dicas de como podemos fazer nossos próprios sites e aplicativos (os famosos apps).  A ideia inicial tanto do site quanto do app é ter um modelo protótipo do que você quer, que segundo ela, o primordial é entender o que você quer, do que jeito que você pensou.  Suas explicações foram bem elucidativas, e com links bem úteis, mas acredito que terei que fazer outro post para explicar cada um deles, mas deixo a dica do site https://popapp.in/ que elucida bem o que pode vir por aí!

Case de Sucesso n.2 – Nacional Ossos

jan 15, 2015 | Cases | 0 comentários | Por: Claudia Mamede

O ano que passou foi transformador em vários aspectos e trouxe a luz, movimentos, ações e muitas coisas que estavam escondidas há muito tempo, só aguardando o momento certo de serem descobertas. Esse é o caso de uma empresa de Jaú – cidade que fica a 400 km de SP – a Nacional Ossos. Há 19 anos fazendo ossos artificiais, a Nacional Ossos não sabia o potencial que tinha entre as mídias nacionais e até internacionais. 

O Desafio

O que para eles pareciam desafiador, já que nos foi apresentado o objetivo apenas de estar nas editorias dos segmentos medicina e saúde, para nós foi ainda mais surpreendente. Já tínhamos outros clientes na área da saúde, e vimos que o ineditismo desse tema seria muito atrativo para todos, mas o que nos chamou mais a atenção e o que resolvemos destacar e usufruir foi da história empreendedora dos sócios proprietários.
Fabricar ossos artificiais não é algo comum, como diz o povo “nem aqui, nem na China” e realmente isso foi o nosso grande chamariz. A ideia que surgiu há então 18 anos (nosso contrato com eles surgiu em 2013) era a mais inédita possível, vendo o lado empreendedor e inovador de seus proprietários.
Nos dois casos e segmentos (empreendedor e saúde) a Nacional Ossos foi destaque! Mas o que realmente modificou a vida da empresa e da PitchCom, foi a história empreendedora.

Os resultados – TV Reuters e muito mais....

Com tanto ineditismo de assunto e com uma mídia sedenta por novidades, não é difícil imaginar o sucesso que foi a Nacional Ossos nas editorias de todo o país. A abordagem empreendedora rendeu notícias nos principais veículos do país e fora dele, sendo produzido um vídeo até pela rede Reuters.

logo exame pme

EXAME_PME_jpeg  
reuters-logo-2008-cropped-

logo-pegn-header

pagina 2 - pegn ossos pagina 1 - pegn ossos

O diferencial do Case – 19º Prêmio CLAUDIA 2014

 Todo o contexto nos faz acreditar que o diferencial sempre estará nas pessoas, e são elas que nos deixam ser uma empresa especial que atrai clientes diferenciados. Toda essa repercussão positiva e muito inspiradora, levou a empreendedora, proprietária do negócio a ser indicada a um dos maiores e mais significativos prêmios do país, o Prêmio CLAUDIA 2014, o qual foi vencedora na categoria NEGOCIOS!

foto_claudia_outubro_vencedora_releasepara ver o clipping completo, clique aqui

 

7 Dicas para saber se sua empresa precisa de um Assessoria de imprensa

set 09, 2014 | Nossa opinião | 0 comentários | Por: Claudia Mamede

Se você já sabe a importância de ter uma Assessoria de Imprensa para o crescimento da sua empresa, já deve ter se perguntado: Será que agora é o momento de investir em uma agência de AI? 

resumindo...Posso garantir que ainda há muito desconhecimento sobre as funções de uma Assessoria de Imprensa e isso acaba confundindo as mentes dos empresários que buscam por uma maior visibilidade e ações no mercado. O maior erro é achar que essa visibilidade vai atrair mais clientes ou vai aumentar as vendas a curto prazo, como já disse em outros artigos, pois há uma grande diferença entre as estratégias de marketing e de assessoria de Imprensa. Mas, se você já sabe essa diferença, deve estar se perguntando o porquê de investir numa AI e se realmente é o momento para isso, o que faz toda a diferença. E digo mais, não importa o tamanho da empresa nem o segmento, é necessário somente ter diferenciais que possam se tornar notícias relevantes. Veja abaixo e responda com franqueza:
1) Pense como um jornalista. Veja se o que você acha que é notícia relacionada a sua empresa, seria realmente fonte para uma pesquisa e de entrevistas.
2) Pense como um entrevistado. Você teria conteúdo suficiente e opiniões firmes e seguras sobre o tema que domina para passar adiante, que poderiam acrescentar algo na vida de alguém?
3) Sua empresa possui diferenciais verdadeiros perante os concorrentes? Não adianta dizer que seu produto ou serviço é o melhor, todos dizem a mesma coisa! Qual é o diferencial, aquilo que faria o jornalista imaginar uma notícia bacana!
4) Você já possui um plano de marketing? Isso pode parecer irreal, mas quem já tem um plano de marketing desenvolvido, sabe exatamente o momento de contratar uma AI.
5) Você está preparado para um planejamento de comunicação a médio e longo prazo? Uma imagem não se constrói da noite para o dia, a não ser que você faça um grande estrago no mercado (negativamente) ou reinvente a pólvora (hiper positivamente!), porque fora isso, o trabalho de AI se fortalece mês a mês, na construção de notícias, ações estratégicas que irão conquistando o mercado e a imprensa.
6) Você realmente valoriza esse tipo de serviço? As vezes, infelizmente, nos deparamos com certas frases: “ Ah, faz um textinho aí para mim” ou ainda “ Poxa, mas você só faz isso?” entre outras que poderiam enumerar mil. O relacionamento com a imprensa, a comunicação entre os universos empresariais e editoriais, o atendimento certo, a notícia na hora exata, nada disso pode ser mensurado por tabelas ou gráficos e muito menos na comum desvalorização do serviço e consequentemente em seu preço.
7) Quer pagar quanto? Hoje existem muitas agências de AI que prometem fundos e mundos para os clientes a preços que não pagariam nem a conta de telefone da agência. Culpo essa situação ao “enxugamento” das redações que jogou muita mão de obra no mercado, causando essa canibalização do mercado. Pense bem, você contrataria um eletricista para arrumar a fiação da sua casa só porque ele cobra menos da metade que o mercado? O velho ditado fecha o parágrafo: “O barato sai caro” e não é de hoje….

E só para finalizar, na PitchCom acreditamos em parcerias com clientes, preços honestos de acordo com que o cliente pode pagar. Não temos sofás de couro branco na sala da agência, nem enchemos o cliente de brindes e nem precisamos disso porque “Aqui o negócio é trabalho meu filho”! rs..que o Murici não me processe por plagiá-lo.. rs

 

Compartilhar artigo por e-mail

  • Compartilhe o post

  • Com quem você deseja compartilhar este post?

  • Separe múltiplos e-mails por vírgula.